quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Héroi, sobre o Super e o Anti-herói

Preciso explicar?

Estourou mais uma champanha(palavra boa de repetir. Tente falar várias vezes)! Os minutos de 2011 chegam cercados de cenas marcantes como a esposa do vice-presidente Michel Temer, a despedida de Lula, e a posse da nova presidente, ordenados, claro, por relevância para a nação!  Mas fique tranquilo amigo leitor... Não vou falar sobre nada disso!
Essa sim preciso: TT World do início do ano
Assuntos como estes até que merecem ser atormentados por aqui, mas como a constante busca da originalidade, imparcialidade, tentando fugir do impiedoso “lugar comum” vou atormentar desta vez o herói, I mean o anti-heroi, ou seria o vilão?! Vamos tentar descobrir... 
Mas antes, não resisti em compartilhar, com vocês, momentos íntimos de alguns dos nossos aclamados super-heróis, em situações nada Super, tão pouco Heroicas. (Todo crédito a Joyce Phrimer, fiel leitora, seguidora e com um blog muito maneiro). Clique para ampliar!
Super Poderes realmente úteis
Mas voltando ao assunto de hoje... Megamente, este sim é o nosso cara! Poderia ser um brasileiro? Proprietário de um azul anil vibrante, cabeça e fisionomias marcantes, roubou para si todas as cenas do filme de mesmo nome. Contraditório, não? O que pode haver de contradição no personagem principal roubar a cena do seu próprio filme? Não sei, talvez por ele ser o vilão, o mau, a representação de tudo o que fomos educados a combater durante toda nossa existência?! Vale pensar...
Herói ou Vilão?
A produção da Paramount representa no mínimo uma bela desconstrução do super-herói, lotada de referências, reviravoltas e muita diversão em realidade animada (tudo para não repetir a mesma palavra), que vale a pena pagar os preços nada atrativos das salas de cinema do Brasil. Goste você ou não de animação, a história acaba com tudo o que estamos acostumados em histórias maniqueístas de bem x mau, herói x vilão, bete gouveia x clara (final de Passione tá chegando, aguardem!!!) e por aí vai...
A Galerinha que te espera no cimena.

Como é moda falar do que não é falado, discutir o que ninguém gosta de discutir e buscar ser original a qualquer custo, correndo o risco da eterna frustação pela busca da originalidade... Discutir o herói, que não salva o dia. Que a moçinha ri da sua cara. Que perde espaço para o bandido e todas as histórias já conhecidas parece mais uma tentativa de fugir do clichê. Mas pense, o que seria uma história toda pela ótica do vilão, aquele que se tornou mau por força das circunstãncias, que por ser tão bom em fazer maldades foi obrigado a seguir o caminho inverso e visto com olhos tortos por muitos de nós. Vale a dica! Megamente (MegaMind, Paramount Pictures) não tem idade, vale para quem viveu a glória do cinema, quadrinhos e pra quem vive a geração Lady Gaga, Restart, com suas cores notórias, óculos retrôs, cabelos cada dia mais ousados, perucas que parecem sair da cabeça e tudo para buscar seu lugar no espaço. Mas quem não viveu este momento, que atire a primeira pedra, ou melhor, faça o primeiro comentário! 


Um abraço aos seguidores do blog: Tati Balieiro, estreando com o pé direito os comentários do blog! Joyce Phrimer com suas dicas em perfeita sintonia com o objetivo do blog e nosso caro LeoBap que vai descobrir o porque de ter gostado do nome e vai também curtir o blog! Agora É só Atormentar!!!

7 comentários:

  1. Eu estou louca pra ver "megamente", porque além de amar animações, eu sou uma aficionada por vilões, daquelas que sempre torce pro coiote conseguir pegar o papa-léguas! rs!
    Uma dica legal é também "o meu malvado favorito"! Para minha uma das melhores animações que eu já assisti, simplesmente não tem como não se apaixonar pelo vilão!

    Obrigado pelos créditos! ;)
    bjim!

    ResponderExcluir
  2. Me fez lembrar uma frase que li esses dias: "Dilma toma posse, Lula toma cachaça, Temer toma Viagra, Marcela toma a grana do véio e o povo toma no c*"

    ResponderExcluir
  3. Tá aí! Agora: quem de nós não é megamente heim?!
    Quem de nós não justifica um erro, não tem uma resposta para uma palavra mal expressada, para a discussão iniciada ou até mesmo pro serviço mal feito aos olhos do chefe?
    Quantos megamente conhecemos? Lula tem resposta para o mensalão, Dilma tem resposta para o caso Erenice, até o ladrão tem desculpa por matar...

    ResponderExcluir
  4. Tem coisa melhor que ver o Pica-Pau, em raros episódios, quebrar a cara????rsrs... é um típico desenho onde às vezes o telespectador (no caso eu) deseja que o anti-herói se torne o mocinho da história, por conta das palhaçadas e atitudes nada educativas do protagonista.

    ResponderExcluir
  5. E se eu quiser ser o megamente?
    Tenho que ser azul?

    ResponderExcluir
  6. Aproveitando o verão gostaria de atormentar as fábricas de shampoo e condicionadores que armazenam seus produtos em grandes frascos de forma que se esbarrarmos neles no banheiro vai quase todo o produto para o ralo pensamos em viajar comeca o sofrimento de fazer caber nas nécessaire um punhado de frascos de quase meio litro cada.
    Cá para nós não dá né....será que nehum filho de Deus pensou em fazer um Kit para estas ocasiões?
    Onde está o Departamento de Marketing e vendas?

    ResponderExcluir
  7. O mito do Anti, Super, Herói contrastando com o cenário atual brasileiro, nossos heróis e heroínas vale a pena assistir, comparar e ver como a relação bem e mau podem ter razões que nem sempre nos damos conta!
    Independente das relações, Megamente ainda é uma ótima pedida!!
    Valeu os comentários:Joyce, Jackson, Fernanda Ferrari, João, Lex Luthor e Joana Jane!

    ResponderExcluir